terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Depressão mata

Tomo a mesma medicação a mais ou menos 2 anos, mas de alguns dias para ca estou sentindo algo estranho novamente. Parece que o efeito não esta sendo o mesmo e sinto as forças fugindo por entre os dedos e os dias passam sempre em branco, sempre iguais.
Os compromissos que são muitos sempre ficando de lado e os prazos se aproximando e eu querendo reagir e nada acontecendo de verdade porque por mais que eu planeje não consigo mover um dedo do lugar para concluir minhas pendencias.
São os trabalhos da faculdade que se amontoam, a dieta que fica só na vontade, os vários planos que não consigo colocar em pratica. 
Me divido em duas pessoas. A que desejo urgentemente ser e a que realmente sou e não gosto do que sou. 
Me da medo porque vejo os meses se passando e a idade se amontoando e penso que no fim a unica coisa que terei que real são os planos que fiz, mas que não executei.
É um sentimento de inutilidade, de desprazer e descontentamento.
Assisti um filme no qual a personagem principal tentou o suicidio e em uma carta que deixou para os pais disse que ao cometer tal ato estaria apenas matando o seu corpo pois sua alma a muito tempo ja havia deixado de viver. 
Acho que muitos depressivos podem se reconhecer nessa frase. Eu me reconheci pois é exatamente assim que as vezes me sinto, como se minha alma que seria toda a minha vitalidade, alegria, vontade de viver, fé, esperança, sonhos e todo sentimento que da sentido a vida de alguém ja não existisse em mim, mas meus pulmões respirassem, meu coração batesse apesar de eu ja não estar ali. 
Meu corpo seria então apenas uma casca do que fui antes da doença. 
Depressão mata. 
Essa frase faz todo o sentido. A depressão em alguns casos mata o corpo, mas para chegar nesse limite a alma já morreu faz tempo e fica insuportável conviver apenas com a dor e o vazio de uma existência fria e triste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para mim.
Deixe seu comentário.